Movimentos sociais encontram na internet o caminho para mobilizar militantes



lm_reforma_foto_lula_marques_02102015_046
A pressão que os movimentos sociais exercem sobre as instituições e a enorme capacidade que a internet tem de mobilizar a sociedade são alguns dos temas tratados no programa Brasilianas.org, que vai ao ar hoje (18), às 23 horas, na TV Brasil. As discussões são mediadas pelo apresentador e jornalista Luis Nassif. 


 
Para fazer um balanço dos movimentos sociais em 2015, foram convidados para o programa a filósofa, feminista e pesquisadora da Universidade Federal de São Paulo, Djamila Ribeiro; o filósofo e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, Alessandro da Silva; e o militante do Movimento Juntos, doutorando em sociologia, Thiago Aguiar. 

 Djamila Ribeiro fala sobre como o feminismo negro se apropria da internet para instrumentalizar a militância. “A mídia hegemônica nos invisibiliza [as mulheres negras]. E na internet a gente encontrou um espaço pra existir”, afirma. 

 Djamila afirma que o próprio racismo cria uma hierarquia de gênero, na qual a mulher negra é posta em uma posição inferiorizada.

“O movimento feminista, de certa forma, acaba privilegiando a mulher branca. 

E o movimento negro tem um olhar extremamente masculino. Então a mulher negra fica no limbo. As feministas negras surgem para fazer essa crítica também a esses movimentos e perceber que nós, mulheres e negras, não podemos escolher contra qual opressão lutar”. 

Entre as dificuldades que os movimentos sociais têm de se articular de maneira eficiente o professor Alessandro Soares da Silva cita a organização das pautas. “As pessoas sempre partem daquilo que diz respeito a elas. Há uma dificuldade em se construir uma noção de nós, de coletivo. É uma relação de poder. 

Para que haja igualdade, alguém tem que abrir mão de alguma parcela de poder e, além disso, tem que reconhecer o outro”. 

 Thiago Aguiar defende que os movimentos sociais têm importante papel em um momento de crise, no qual a população parece estar, cada vez mais, dissociada da representação política.

“A corrupção mostra que o Estado é organizado para atender determinados interesses. Acho que o que a gente precisa é recuperar a necessidade de defender o aprofundamento da democracia e ter uma saída de conjunto. O povo é que tem que decidir o que acontece no nosso país”. 

 Thiago lembra a força das mobilizações sociais, e cita a ocupação das escolas em São Paulo.
Ele afirma que, em um primeiro momento, o governo do estado tentou desqualificar o movimento. 

No entanto, ao perceber que se tratava de uma demanda justa, muitas pessoas começaram a se mobilizar. “Era evidente o descaso com a qualidade da educação. Então a mobilização venceu”. 

 O professor Alessandro avalia que um dos problemas do Brasil é que, normalmente, quem pensa as políticas públicas são os “especialistas”. No entanto, como garantir que os especialistas sabem o que a população, objeto da política pública, quer? 

 O programa Brasilianas.org é exibido semanalmente e traz debates sobre temas importantes como infraestrutura, saúde, educação, habitação, tecnologia, artes, política, entre outros. 
7121122

Assuntos de Goiás TV

Destaque

Em dia de torcida única Vila Nova desperdiça chance de humilhar o Goiás na Série B

Caindo de rendimento na hora errada...   Uma equipe que almeja o acesso não pode abusar do direito de perder tantos gols, ainda mais num c...

Arquivo do blog

Questão Brasil nº 87 | 24 de Maio de 2016

Loading...

Seguidores